30/12/10

Página rasgada

Hoje rasguei a página que a dor escreveu
E eu tanto ajudei a elaborar
A dor que cá vivia enfraqueceu
Já sinto a mudança no ar


Os sentimentos mais tristes
De tantos maus momentos
Não são mais a memória em que viste
Nem será mais um dos meus tormentos


Hoje a página da dor foi rasgada
Foi suprimida pela passividade
Aprendi a ser menos magoada
Mas a isto não lhe chamo felicidade


Quem escreve a partir de hoje sou eu
Um mais equilibrado e racional
O que escreverá a página de cada dia que é meu
E peço desculpa, por deixar de ser tão cordial


Vou mostrar o que falta mostrar
Reagir aos actos mais duros
A coragem nunca irá falta
Mesmo que me atinjam os sentimentos mais impuros


Porque quem rasgou a página fui eu
Aquela que se fartou de ter medo e sofrer
Ninguém sabe o que a dor comigo aprendeu
Mas a partir daqui a dor vai ficar a perder.

Sem comentários: