29/03/12

(In)Coerência Pura

Não venhas rasgar este céu a meu lado
Ensinar-me que nada é um eufemismo,
Ao teu lado sinto perigo
Desconheço-te, meu abismo

Vejo a vida de outra forma
Sempre fez parte da história
Nunca soube olhar para mim.
Sinto a dor desta maneira,

A real e derradeira,
Somente me ensinaste a ser infeliz.
Guardando mágoas na memória,
Dor mais forte que outrora

Percebo que não estás aqui
Sinto a paz por um instante,
Sou apenas um eterno viajante.
Porém contigo aprendi,

A cor é a luz mais escura,
Verdade nua e crua
Desejo forte de te vencer
Resta a dor de saber que estás em mim.

Queria dizer-te adeus,
Quebrando o ciclo que me amaldiçoa
Libertar tudo o que magoa.
Simplesmente começar a existir.

1 comentário:

Patricia Paula disse...

=) isto está forte Diana! Bom recomeço de escrita para ti amiga >_> e boa sorte que, como já sabes há mais do que eu, nem sempre é fácil o que dos poemas advém. Os meus não passam todos do mesmo tema ultimamente *_* ..... Se quiseres dar por lá um saltinho força, actualizei hoje =), o que quer dizer que agora estão lá muitos porque há que tempos que não metia lá nada.