30/12/10

Fala-me de amor

Amor, palavra pequena
De colossal complexidade
A que a todos impregna
A horrível simplicidade


O amor hoje é tema de conversa
Da dor que a tantos causa
Mas o que verdadeiramente interessa
É a marca que deixa por onde passa


Querem que falem bem do amor?
Não consigo.
Porque falar de tremenda dor
Faz-me sentir em tamanho perigo


Sentimento traiçoeiro
Este que a todos atormenta
Gostava que não fosse tão verdadeiro
Pela enorme dor que aparenta


Traz tantos sentimentos interligados
Aquilo que tão poucos dão valor
Porque aqueles que vivem apagados
Nunca saberão o que é o amor.

O sentimento morreu

A bondade que existia desapareceu
No ser humano só resta maldade
Nem a simplicidade morreu
A esta impetuosa monstruosidade


Aquela que em mim resta
E que tanto me custa preservar
Já nem sei se semelhante sentimento presta
E se vale a pena faze-lo prosperar


Em nada se vê a pura igualdade
Só uma enorme ganância e muito egoísmo
Já nem falo da liberdade
Queria simplesmente um pouco mais de altruísmo


Peço que chegue a mudança
A que em nenhuma altura foi tão pedida
Aquela que restaurará a confiança
A que eu á muito sinto perdida


Resta-me apenas a amizade
Um dos poucos bons sentimentos que sobra
Mas até já essa é atingida pela falsidade
E pela execrável mentira a toda a hora


Vou continuar a preservar
Os bons sentimentos que me sobram
Vou manter o medo de os demonstrar
Mas nunca vou esquecer que em mim moram
Peguem nas mais majestosas guitarras
Libertem o seu exuberante poder
Hoje tu vais soltar as amarras
Vais aprender a deixar de sofrer


O fado é a ilusão do teu destino
Aquele que há muito deixei de ver
Deixa de pensar pequenino
Pensa que nunca terás nada a perder


Porque hoje o poder é teu
Chegou a tua hora de sonhar
Vais sentir que a tua dor morreu
E ao ponto mais alto vais chegar


Sentirás o mais puro sentimento
Aquele que jamais pensaste sentir
A vida deixará de ser um tormento
E eu sei que não me vais desiludir


Porque agora percebes esta canção
Não vem por mero acaso
Agora que conheci esta fantástica sensação
Vou arriscar-me a dar o próximo passo

Página rasgada

Hoje rasguei a página que a dor escreveu
E eu tanto ajudei a elaborar
A dor que cá vivia enfraqueceu
Já sinto a mudança no ar


Os sentimentos mais tristes
De tantos maus momentos
Não são mais a memória em que viste
Nem será mais um dos meus tormentos


Hoje a página da dor foi rasgada
Foi suprimida pela passividade
Aprendi a ser menos magoada
Mas a isto não lhe chamo felicidade


Quem escreve a partir de hoje sou eu
Um mais equilibrado e racional
O que escreverá a página de cada dia que é meu
E peço desculpa, por deixar de ser tão cordial


Vou mostrar o que falta mostrar
Reagir aos actos mais duros
A coragem nunca irá falta
Mesmo que me atinjam os sentimentos mais impuros


Porque quem rasgou a página fui eu
Aquela que se fartou de ter medo e sofrer
Ninguém sabe o que a dor comigo aprendeu
Mas a partir daqui a dor vai ficar a perder.

12/12/10

Hoje não é um dia como os outros…

Dia 12 de Dezembro do ano de 2010, faz hoje 17 anos que este estranho ser respirou pela primeira vez ao sair de dentro da sua progenitora. Não quero que isto faça parecer que gosto do meu dia de aniversário, mas este dia é especial ou melhor celebro uma idade especial. Muita gente dirá “como estás crescida, estás quase uma mulher…” e isso é que torna esta idade que comemoro hoje tão especial. A miúda com pouco mais de 1,60 e com um péssimo feitio está a um ano de se tornar uma mulher, pelo menos em termos numéricos. Por isso, decidi tomar uma decisão, uma das mais fáceis da minha vida. Decido, a partir de hoje, afastar a teia de medos e falta de confiança onde estou envolvida e dar lugar a uma pessoa nova, a uma Diana nova, onde darei tudo de mim sem medo do que aconteça no dia seguinte não implica que deixe de ter as minhas crises existenciais e os meus ataques de parvoíce, simplesmente vou deixar de lado o medo e dar muito mais de mim. A idade já me mudou e o amanhã não será mais um medo será a minha vitória.

05/12/10

Um dia será assim

Um dia não terei medo do amanhã
Sentirei o sangue que ferve nas minhas veias
A renascer dentro desta mente vã
E a mostrar que o que virá já não anseias


Não chorarei o passado
Sorrirei a cada novo dia
E por muito que me tenha magoado
Nada mudará esta filosofia


Um dia a alegria fará parte da minha vida
Ultrapassando toda a tristeza que vive em mim
E assim será até á hora da partida
Onde a alegria reinará até ao fim


Um dia não terei mais nada do que felicidade
No seu verdadeiro estado puro
Garanto-te que nunca sentirei saudade
Deste ser negro e duro

04/12/10

Estranho Desespero

Desesperar ao contrário do que se pensa
Não é mais do que um reflexo de sentimento
Que com o evoluir desta vida que passa
Não passa dum explosivo sentimento


Momento em perdes a noção de como agir
Que não sabes a maneira mais correcta de pensar
E ai pensas que não vale a pena existir
Nem sabes em que medida o teu mundo está a desabar


Sentes que nada em ti faz sentido
Nada do que faças parece ajudar
E todo o bem que já tenhas feito fica esquecido
Porque só desejas que a dor comece a acalmar


E este estranho sentimento leva à revolta
Aquela que mudará a tua vida
Sabes onde levará esse sentimento que te transporta?
Leva-te ao mais negro beco sem saída.

01/12/10

Faz-me chorar…

Sinto falta das palavras que me faziam chorar
E dos sonhos que traziam impregnadas
Aquelas que tantas vezes me fizeram pensar
E me deixaram as faces rosadas

Sinto falta das lágrimas a rolarem-me pela face
Faz-me falta a magia que carregavam
Falta-me a magia que lhes pertence
E do sentimento com que me magoavam

Não sinto falta da dor
Sinto falta das lágrimas que me caiam
Queria sentir-lhes novamente o sabor
De quando elas, puramente escorriam

Faz-me chorar
Chorar a rir, não chorar por sofrer
Faz tudo para me alegrar
E fazer os maus sentimentos desaparecer

Faz-me chorar com a tua sinceridade
Aquela que realmente gosto
Usa as tuas palavras de maior verdade
E verás como choro, aposto.

Quero chorar com a magia
A magia que este cruel mundo me escondeu
E não digas que a sente a cada dia
Que ela para mim há muito se perdeu

Faz-me chorar
Chorar com as tuas palavras
Apetece-me fazê-las deslizar
E provar-te como carrego tantas mágoas.

Ensina-me

Ensina-me a viver,
Faz-me aprender a crescer
Não me retires a dor de sofrer
Mas fica comigo até ao amanhecer


Não me enchas de teorias
Porque a teoria já a conheço
Usa cada vez menos essa filosofia
Porque sabes que rapidamente a esqueço


Ensinas-me como se faz?
Como se chora sem sorrir
Porque sorrir para não chorar
É algo que eu sempre fiz


Quero sorrir para a vida
Mas nunca soube como o fazer
E sinto-me tão perdida
E com uma tão grande necessidade de aprender


Sonho tanto em ser feliz
E atingir todas as minhas ambições
Mas agir é tão difícil quanto se diz
E ser feliz trás tantas ilusões


Ensina-me a ser grande
A não ter medo do amanhã
Ao teu lado sinto-me gigante
E não tenho medo de sonhar pela manhã




Para a enorme Filipa Duarte.

28/11/10

"I don't know what tomorrow will bring"

Não sei o que o meu amanhã trará
Sinceramente ainda bem que não o sei
Não fico triste pela dor que virá
E assim sei que amanhã mudarei


As tristezas que a vida nos traz
Não as deveríamos conhecer
Porque assim a vida seguiria voraz
E eu não tinha tanto medo de a viver


As lágrimas que me rolam pela face
E que o meu sorriso por vezes esconde
São as marcas desta estranha fase
E dos sentimentos que em mim se perde


Às vezes o desejo de fugir é grande
Tal como a vontade de desaparecer
Mas a força que trago em mim faz-me gigante
E infelizmente não me ensina a deixar de sofrer


Vou olhar o amanhã com um sorriso
E se a lágrima vier, deixá-la-ei cair
Não farei do sofrimento um mero submisso
Nem impedir a minha face de sorrir


Não deixarei que me magoem
Vou ser ainda mais tolerante
E os que mesmo assim me atraiçoem
A minha revolta sentirão a todo o instante


Porque não sei o que o meu amanhã trará
Agradeço imenso por não o saber
Espero pelo sol que amanhã nascerá
E me fará continuar a viver.

18/11/10

"Se depois de eu morrer, quiserem escrever a minha biografia,
Não há nada mais simples.
Tem só duas datas - a da minha nascença e a da minha morte.
Entre uma e outra todos os dias são meus."



Alberto Caeiro - Fernando Pessoa

07/11/10

Isto sou eu.

Este é o meu mundo
Onde me sinto perfeita
Revela o meu ser mais profundo
E onde a minha alma se respeita


Só sou eu quando consigo escrever
E conjugar as mais belas palavras
Mesmo que elas me façam crer
Que nem por elas me alterava


A escrita faz parte de mim
Ensinou-me a crescer
Talvez um dia chegará ao fim
Mas cá estarei para a reaprender


Sinto as palavras de modo especial
Que como eu poucos sentem
Elas fazem-me ser um completo animal
Mas sabem que só assim me compreendem


Isto não se chama talento
Chama-se se paixão
Porque o caminho leva-me ao desalento
Mas leva-me a escrever com o coração


Só sou eu quando escrevo
E espero nunca mudar
É na escrita que me revejo
E espero nunca conseguir parar.

06/11/10

Nunca me senti assim

Nunca tive tão pouca vontade de ser eu. Nunca tive tanto medo de falhar e perceber que o tempo que perdi a mudar não valeu de nada. Percebi que um estalo na cara é a solução, porque nunca me senti assim. Sinto-me mais frágil do que uma flor que ainda está a desabrochar. Nunca tive tanta vontade de não ser eu. Nunca quis não ser rude, nunca quis não me vingar e demonstrar a minha frieza de espírito. Tenho algo dentro de mim que grita a plenos pulmões “sê tu própria, sem medo do amanhã”. Tenho medo do amanhã, tenho medo de chorar, tenho medo de sorrir, tenho principalmente medo de falhar. Tenho medo ponto. Nunca me senti assim, o odeio sentir-me assim. Anseio pela minha segurança e estupidez anterior, porque ela se desvanece ao ser suprimida por tamanho medo. Isto há-de passar, hei-de voltar ao meu eu impetuoso e arrogante, que jogava ao ataque para fugir á defesa. Não gosto da palavra nunca e aqui já a pronunciei demais porque a favor da minha vontade, nunca quis estar assim.

02/11/10

Ao Luar

Ao luar aprendi
Como o negro tem tanta cor
Foi ai que cresci
Ao suprimir esta dor


A lua é bela
E difícil de compreender
Tem um tom suave de aguarela
Que tanto me faz aprender


O luar é perfeito
Cria-me tantas ilusões
Que o seu grande defeito
É fazer-me esperar pelas suas aparições


Traz-me aquele medo
Que me faz resistir
Mas esse nosso pequeno segredo
Eu não posso deixar fugir


Ao luar sinto-me inteira
Como em outra altura não me sinto
A Lua é a minha companheira
E sabe que nunca lhe minto


Sabe tanto de mim
Como ninguém imagina
Sabe como consigo ser ruim
E como ela tanto me fascina.
Hoje parei para olhar para uma menina. Era em tudo igual a mim. Caminhava errante num dos lados da rua, não interessa qual, de cara caída e olhar apagado. Os olhares causavam-lhe medo, as palavras apesar de as adorar, faziam-na entrar em pânico. Agarrava-se às mais pequenas coisas, para dar algum sentido á sua existência. Ia abaixo com frequência, a cara fechada e triste era a sua imagem de marca assim como a arrogância que não era mais do que a sua arma de defesa das pessoas. Ignorava as pessoas quando estas a desiludiam, chama-lhe ironicamente do seu pequeno “mau-feitio”, preferia esperar por um pedido de desculpas ou que dolorosamente a ferida sarasse. Ela é assim, diferente dos comuns mortais, superior ou inferior, não importa. Era assim que se tinha criado. Olhei para ela e comparei-me com ela. Seria eu aquela menina que caminhava errante e triste pela rua? Acredito que sim…

Amor

É uma palavra de enorme complexidade
Com um enorme sentimento
Que nos demonstra a sua colossal simplicidade
Até no mais pequeno momento


Aprendi a evita-lo
Como forma de protecção
Recusava-me a demonstra-lo
Para não ferir o coração


Não embargo em ilusões
Por um mero sentimento
Prefiro fugir das desilusões
E de todo o sofrimento


Talvez um dia a armadura caia
E liberte este coração,
Faça com que o sentimento saia
E viva a mais bela emoção

Sonhar

Sonhar não custa
Basta acreditar
Que tudo o que te assusta
Conseguirás superar


Quem reconhece que sonha
Nunca tem medo de arriscar
E fará a melhor escolha
Para atingir aquele patamar


Não vires as costas a um sonho
Por mais impossível que seja
Porque sabes que por um sonho
Realizas o que a mente deseja


Nunca desistas de sonhar
Não te esqueças de ti
Gostava de te ver triunfar
E realizar o sonho que vive dentro de ti.

29/10/10

"Enquanto os inocentes fogem da solidão por magia, aos impuros a solidão é lhes imputada" - DH

28/10/10

Estou diferente
Aprendi a mudar
Sou mais consciente
Da vida que pretendo levar


Se não conheces os meus limites
É bem melhor que me evites
Porque aprendi que a devoção
Me leva demasiadas vezes á desilusão


Não suporto falsidade
Sou amante da verdade
Nem faço com que a mentira
Seja a minha filosofia


Acredito na igualdade
Todos os dias da minha vida
E vejo, que esta sociedade
Esta a ficar completamente perdida


Quer atingir-me com valores
Que eu não sigo
Prefiro ter enormes dissabores
Do que apagar cada palavra que digo


Sou diferente
Consegui mudar
Estou mais confiante
Da meta que quero alcançar


Como conheces os meus limites
Sugiro que me evites
Não quero causar-te decepção
Nem ser culpada de uma desilusão

10/10/10

"Estou cansada de ser heroína, quero ser humana por uns instantes"
-.-
Ama todas as palavras
Como deverias amar-te a ti próprio
E mesmo que as sintas gastas
Nunca lhes guardes ódio


Porque sem palavras
A vida não teria sentido
Porque o sentimento que guardas
Estaria para sempre escondido


Usa-as como arma
Para mostrares os teus ideais
Enche-as com a tua alma
E com os sentimentos mais reais


Aprende com elas
Como comandam a tua vida,
Verás como são belas
E superam qualquer partida.

09/10/10

Abraços

Gosto deles, fazem-me sentir viva. Muitas vezes tenho falta deles, e ninguém para me dar um simples e rápido abraço. Adoro os da minha mãe, ai sinto quanto verdadeiramente ela gosta de mim, gosto quando me levanta. Gosto quando me abraçam como se eu fosse um urso de peluche. Gosto dos abraços sinceros, onde o sentimento está presente. Não gosto deles demasiado apertados nem falsos. Gosto deles e pronto, gosto e sinto falta de quando não os tenho. Acho que agora caia bem um…

07/10/10

Se eu não fosse…

Se não fosse humana, seria bailarina. Porque quem verdadeiramente o sabe fazer, não é humano, é um ser superior. Quem me dera ter essa força sobrenatural que um bailarino\a tem. Têm a força da expressão, com o movimento demonstra mais do que alguém que faça o discurso mais brilhante deste planeta, têm a força da paixão, do amor ao que fazer e da vontade de serem imortais, porque é fácil esquecer alguém que vence com as palavras mas não o se esquece quem vence com o movimento sincronizado e harmonioso. Os bailarinos são imortais, são seres de uma rara beleza que o comum mortal não atinge tão facilmente. Eles são perfeitos, quem me dera ser assim, fazer com o movimento o que faço com as palavras, domina-las, ama-las e honra-las, porque assim seria perfeita, mas sou humana e carregada de imperfeições. Resta-me o sonho, e o sonho é belo demais para querer abrir os olhos e ver a realidade.

03/10/10

"If I go crazy then will you still call me Superman?
If I'm alive and well, will you be there holding my hand?
I'll keep you by my side with my super human might...
Kryptonite"


3 Doors Down - Kriptonite

Magia

Com as palavras faço magia
Com elas consigo ensinar
Aquilo que com a tua hipocrisia
Nunca irás alcançar


Porque a magia não se faz
É algo que nos transcende
E se fores perspicaz
Verás que nada te surpreende


Se te correr o talento nas veias
Não o tentes esconder
Porque o que mais anseias
É que não te consigam entender


Porque buscas a perfeição
E ela não existe
Focas-te na ficção
E esqueceste do que já sentiste.

02/10/10

Um dia

Um dia este não será mais forte
E a vontade de ter liberdade
Não será mera sorte
Nem será um poço de saudade


Será uma ilustre memória
Daquelas que o sonho imagina.
Será a mais bela página da minha história
Daquelas que a minha alma fascina.


A liberdade não se pede
É fruto de várias conquistas
Como a vida não nos impede
Temos de ser realistas


O real é o correcto
Não o devemos á ficção
Porque o caminho certo
É mais que pura ilusão

01/10/10

Porque eu sou do tamanho do que vejo, E não do tamanho da minha altura - Alberto Caeiro, Fernando Pessoa

29/09/10

...

Já não me restam muitas palavras, tenho tudo dito, os meus gritos, as minhas revoltas, as minhas lágrimas que ninguém me viu chorar mas que ficaram marcadas nas folhas onde deixava a caneta fluir e exprimir os sentimentos que explodiam dentro de mim. Só me resta o silêncio, aquele silêncio que eu procuro á muito dentro de mim, por que ele é sinal de paz e é isso que me faz falta. Quero-o, preciso dele, desejo-o! Quero que o silêncio me invada e me mostre que a vida novamente tem sentido e eu estou bem comigo mesmo. As palavras estão a esgotar-se, não sei se para sempre, se simplesmente por agora. As palavras estão no fim.

16/09/10

Não sou poeta

Não sou poeta
Não sei rimar
Mas sei que á minha meta
Consigo chegar


Já não escondo
Que as palavras são tudo na minha vida
Posso correr este mundo
Que nunca ficarei perdida


Perdida no sentido
Que lhes tento dar
E que em cada segundo
Tento alcançar


Dar-lhes sentimento
Não é fácil de se conseguir
É sempre o meu tormento
Mas tento-lhe resistir


Viver com elas
Por vezes é difícil
Como conseguem ser tão belas
Querem-nos sempre fugir

14/09/10

Perdeu-se o sentido

Pus-me a olhar para as coisas com outros olhos e a colocar em questão as coisas mais absurdas. Como o facto de continuar a escrever e a mostrar um outros lado que poucos desconhecem. Não consigo explicar o que me mantêm presa a esta ligação de palavras a que chamam escrita, não encontro sentido para continuar a repetir-me a tentar algo que não consigo, a ser algo que por muito que me custe não sou. Tenho saudades do tempo em que tudo fazia sentido em que respirar fazia sentido, viver fazia sentido e toda a mais pequena coisa fazia o colossal sentido que hoje não faz. Pronto saiu o que estava preso cá dentro. A falta de sentido das coisas provoca-me isto e por mais que tente ignorar semelhante facto é-me impossível, não sou nenhuma super-mulher, não nasci com super poderes, esses que me conferissem a sensibilidade de uma pedra. Infelizmente tenho sentimentos que se ferem com demasiada facilidade, para quem tenta usar uma “armadura” de ferro e por trás dessa é um ser irritantemente sensível que simplesmente usa armas para se defender. Vou ter de procurar um novo sentido para a vida que o que me restava, esvaiu-se como uma coluna de fumo que se dissipa no ar, deixando-me novamente apática e a procurar uma luz ao fundo do túnel que não está ao alcance do meu horizonte.

10/08/10

Tempo

O relógio não pára
Contando cada segundo que passa
Porque ele não espera
E raramente se atrasa
Enquanto solta a fera
Que nos consome e nos arrasta


Cada movimento e som
Suave e fresca melodia
Prova que o tempo é um dom
Que a todos influencia


O tempo que passou
Já não recua
Apenas nos deixou
A sua marca crua


Tic toc, canta lentamente
Na sua doce canção
Que nos leva a pensar repetidamente
No tempo gasto em vão


Porque o que passou já não volta
E sempre assim será
Não o interpretes com revolta
Porque ele sempre assim estará
E quando vires a tua vida solta
Vais ver que tudo mudará

05/08/10

Falsidade

A falsidade
É algo que eu abomino
Altera-nos o conceito de verdade
E muda a maneira de olhar para o destino


Muda-nos o modo de ver
As verdades como são
Resta-nos aprender
A fugir de tal ilusão


Quem é um falso amigo
Não merece a amizade
Porque não se abandona um amigo
Nem se omite a verdade


Aos falsos que conheço
Porque deles não me esqueço
Aprendam que a amizade
Inclui também a lealdade

Obrigado a todos os que me magoaram

Obrigado a quem me fez chorar e reconsiderar a minha existência. Sem eles não seria quem sou hoje. Agradeço todas as mentiras e traições que me contaram e a que me sujeitaram. Um especial obrigado a todas as pessoas falsas que invadiram a minha vida. Não digo isto com nenhum tipo de ironia, digo-o com a mais pura verdade que existe dentro da minha pessoa. Fizeram-me olhar para a vida com outros olhos e ajudaram-me a escavar o poço onde aos poucos me enterrei. Sei que isso provavelmente vos deixará tristes, mas não conseguiram deitar-me abaixo. Ergui-me e orgulho-me muito disso. Mas quero que saibam que o meu ódio pelas vossas pessoas continua bem presente em mim e como é óbvio nunca desaparecerá. Mas deixo-vos aqui o meu mais sincero obrigado.

Ironia

Por pura ironia
A vida nunca suou como eu queria
Tentei seguir em frente
Para renascer num novo presente


Esse presente não existia
Estava envolvido na escuridão que me envolvia
Quis ser diferente e lutar
Para que não me conseguisse dominar


Sei que posso falhar
E ao fundo voltar
Mas por agora este presente
Vai ser com certeza diferente


Já chega de chorar
Por algo que nunca irá mudar
Nós fomos criados para desistir
Resta-nos a nós não o consentir

04/08/10

A chave

Nesta sociedade
De consumo e inveja
Não há verdade na amizade
Nem amor que se veja


Escondi a minha chave do cofre
Está onde ninguém a descobre
Para dá-la a alguém que não sofre
Ou a alguém com uma alma mais nobre


Há que provar que a merece
Não usando a falsidade e a mentira
Porque o que faz mal não se esquece
E aumenta a minha ira


Quem a tiver
Fez por recebe-la
Não teve de sofrer
Apenas lutar por merece-la

03/08/10

Aquela melodia
Que soa em mim por simples fantasia
A que me ajudou a crescer
A ver a vida com olhos de ver


Já chega de chorar
Porque as lágrimas a local nenhum nos vão levar
Venha o sentimento em abundância
O que aumenta o meu senso de tolerância


Continuo a querer descobrir
A magia de sorrir
Quando conseguir aprender
Uma pessoa melhor conseguirei ser


Quero viver a vida na sua plenitude
Sentir a minha existência noutra amplitude
Vou fazer da experiencia uma acção
Que me fará dar as coisas uma nova função

02/08/10

Com bastante subtileza
E uma pitada de beleza
Vou mostrando a simplicidade
Desta subtil forma de arte


Não lhe chamo talento
Isso seria um desalento
Mas chamo-lhe evolução
A esta estranha forma de junção


Junção de simples e nobres palavras
Que ao serem solenemente conectadas
Demonstram os mais simples sentimentos
Que por vezes nos causam os maiores tormentos


Porque a poesia
É uma delicada forma de fazer magia
Onde o sentimento é comandante
E a palavra a rainha para todo o instante

Back to the old times

Vou fazer a viagem que há muito queria ter feito, mas que por causa de uma enorme estupidez e de uma inqualificável falta de lucidez nunca puder fazer. A viagem é feita dentro de mim, sem rota pré definida nem destino traçado. Vou olhar-me com os olhos que provavelmente nunca me olharam, porque esses olhos estavam cegos, só viam a escuridão que me guiava. Pois bem por mim, chega, finit, enough… Cansei-me de tanta escuridão á minha volta. Quero procurar a cor e a luz que me tem faltado. E quem te garante que a encontrarás? Bem, ninguém o pode garantir, mas pelo menos poderei dizer que tentei, pode correr mal e dar errado mas pelo menos tentei. Mas espera, estás a mudar? Não lhe chamo mudança chamo-lhe outra coisa muito mais simples, cansaço. É simples, fartei-me de ser pequena. Não quero ser gigante, quero ser maior do que sou. Se lhe chamam mudança, não me importa. Eu sei o que pretendo alcançar.

Essência de um ser

Não sou poeta nem escritora
Sou uma mera observadora
Não sou triste nem feliz
Porque não sou mais que uma aprendiz


Desta nobre vida que se evapora
Ao som do grito da alma que chora
Chora por não conseguir compreender
A essência da palavra viver


Porque viver é observar e conhecer
E aprender a conjugar o verbo sofrer
Que embora não passe duma ilusão
Deixa a sua marca num pobre coração


Que por não querer sofrer
Nem querer compreender a palavra viver
Já nem consegue existir
Porque dentro de si só existe vontade de desistir

01/08/10

A poesia

A poesia,
Não passa de mera filosofia
Que nos acalma
Quando algo nos transforma a alma


Senti que as palavras transmitem a sua dor
Quando expressam a complexidade do amor
Exprimem o que a boca não consegue dizer
E que o pensamento quer esconder


Demonstram os sentimentos esquecidos
De todos aqueles momentos perdidos
Onde a alma nos ensina
Que a vida é algo que nos domina


Mas se soubermos o que as palavras nos dizem
E mesmo que os mais pequenos sonhos não se realizem
Teremos de saber
Que lutar é viver

30/07/10

O sorriso desapareceu.

Ontem, dia 29 de Julho de 2010, um dia que sem duvida ficará eternamente na minha memória á semelhança de muitos outros dias que marcaram a minha vida. Um dos maiores e melhores actores deste país, António Feio, sucumbiu á doença a que o próprio chamava de “bichinho” e que também dizia que queria vence-lo com o riso. E infelizmente para nós, esse riso apagou-se. Não digo estas palavras com a típica atitude Portuguesa que quando as pessoas morrem são as maiores pessoas do mundo. Pois para mim sempre o foi, sempre segui o seu trabalho e posso até dizer que com a dupla que irei admirar para todo o sempre, Toni e Zezé, que tive o primeiro contacto com a comédia portuguesa. E essa dupla consegue arrancar-me todo o tipo de gargalhadas, desde o mais simples sorriso á gargalhada incontrolável. Agradeço-lhe por todas as gargalhadas que me proporcionou e continuará a proporcionar. E digo ainda em género de remate a frase que nos últimos meses da sua existência e que nos fará repensar a maneira de como levamos a nossa vida. “Aproveitem a vida.” Descanse em paz, ficará eternamente na memória das pessoas que como eu seguiam fervorosamente o seu trabalho.

22/07/10

Vontade de desistir

A força que existe dentro de mim esgota-se a cada dia que passa. São crises. Não existe por ai um carregador como aqueles que se utilizam nos telemóveis para recarregar as forças? Ainda não devem ter inventado esse objecto. Sinceramente precisava de um desses para mim. Não tenho a mínima força, sinto-me sem a mais pequena porção de força interior que me faz ultrapassar com mais ou menos dificuldade, as adversidades desta cada vez mais inútil vida. Tenho vontade de desistir, mas esta é superior às vontades que já senti durante os períodos mais conturbados da minha existência. Acho que estou a precisar de apanhar sol. Pode ser que passe.
Não nasci feliz
Não aprendi a sonhar
Sou um mero aprendiz
Que está fora do seu lugar


Não sou mais que um elemento
Nesta estrada de aprendizagem
Mas tenho dentro de mim um sentimento
Que me conduz nesta viagem


É um caminho doloroso
Mas tenho de fazer a mudança
Mas não há nada mais penoso
Do que ver como o tempo avança


Corre furioso
Sem nunca conseguir parar
Esconde um fim luminoso
Á qual iremos chegar

28/06/10

Procurei-te um dia
Numa busca incansável
Encontrei-te por magia
Num lugar inimaginável.


Ao pé de ti sou uma criança
A tua alma comprova isso
Porque essa grande confiança
Desfaz esse feitiço.


Porque as crianças são alegres
Independentemente do motivo
Mas por serem rebeldes
Desconhecem a palavra “amigo”


“Amigo” no seu verdadeiro e sincero sentido
Aquele que se pode confiar
Mas lê o que te tenho dito
Sou alguém com quem podes contar


Não é fruto do momento
Da razão ou inspiração
É um verdadeiro sentimento
Pelo qual tenho muita consideração.




Para quem é digno de ser chamado de amigo :D

Cheguei tarde

Cheguei tarde para ver
Aquilo que eu queria
Nunca fiquei a saber
Se era tudo o que eu podia.


A desilusão invadiu-me,
Tornando-me amargurada
Porque a vida desiludiu-me
Deixando-me totalmente marcada,


Marcada por uma dor que carrego
Impregnada dentro de mim
E que por ela navego
Nesta escuridão sem fim.


Ela não se desvanece
Insistindo em ficar
Ela sabe que me desfavorece
Por tanto me mutilar.

Uma Marca

Tenho uma marca dentro de mim
Uma marca que jorra sangue vermelho e quente
Quente como a chama que me queima sem fim
Mas que de repente,
E que me impede de dizer o grandioso sim
Á réstia de vida que inocentemente
Brota dentro deste ser que vive dentro de mim.


Já é tarde para morrer
Porque a vida me ensinou
Que se soubermos viver
A mágoa será uma página que se virou
E que por tanto querer vencer
Só por si já se alterou.


Essa marca persiste em ficar
Dentro deste triste ser
Mas há-de me continuar
A ensinar o significado da palavra crescer
Que de tanto lutar
No fim não irá ceder.


Porque a vida é surreal demais
Para não a conseguirmos compreender
Basta não sermos iguais
Para ela nos fazer ver
Que somos meros mortais.

12/06/10

Palavras,
Não são simples conjuntos de letras.
Conjuntos que se ligam e formam frases.
Sejam selas simples ou compostas.


São palavras,
Que por mais simples que sejam
Demonstram a sua colossal complexidade.


Elas marcam, ferem, curam.
Mas o que seriamos nós sem as palavras?


Seriamos seres ainda mais vazios do que somos.
Porque são as palavras que nos dão vida


Mas ao darem-nos a vida também têm o poder
de nos retirar aquilo a que a palavra chamou de
Vida.


E isto porque?


Porque as palavras são mais que simples letras e sons.
São expressões que nos definem como seres.
Perfeitos ou não,
Mas como as palavras nos definem: Humanos

11/06/10

"Melhor escrever para si mesmo e não ter público do que escrever para o público e não ter a si mesmo". - Cyril Connolly

08/06/10

Garra de leoa

Irmã mais nova
que não vi crescer
Mas que a minha alma aprova
que estejamos juntas a aprender


Vives o dia-a-dia
Sem nunca desistir
Tens contigo uma eterna alegria
E estás sempre pronta a sorrir


Garra de leoa
Como a mana do coração
Entrego-te a coroa
Que simboliza a nossa união


Apoio nas nossas vidas reais
Torna-nos fortes
Não te dou nada de mais
Mas espero que gostes




Da minha irmã adoptada a Ana Raquel Frade para a minha pessoa!
Obrigado por seres quem és e o que significas para mim!
A calma
É o reflexo da tua alma
A ânsia
Demonstra o poder da arrogância


Querer
É fundamental para aprender
Agir
Mostra a tua vontade de fugir


A revolta
Possui a raiva que gira á tua volta
A dor
Sem ela não sabes o que é o amor


Crescia
Mas nada evoluía
Chorava
Por saber que me odiava

Chorei

Hoje chorei, nunca gostei de despedidas (não sendo isto considerado uma despedida) e assim muito menos. Nunca tal coisa me tinha acontecido. Chorei e não me importei de ter chorado, choraria outra e outra vez, porque estas lágrimas estavam carregadas de um puro sentimento. Porque chorar é um dom, tal como rir é uma virtude. E eu choro, embora prefira muito mais rir. Mas chorar por algo que realmente vale a pena é sempre melhor.


Não existem palavras para descrever este dia. 10ºD para sempre :D

07/06/10

Prometes?

Prometes?
A mim que te peço
Que não me esqueces
E esperes pelo meu regresso.


Espero pela resposta
E digo sem vaidade
Com a mala já reposta
Vou sentir muita saudade.


Para a partida ainda falta
Muito tempo até chegar
Simplesmente ainda falta
Muito para eu regressar


As minhas arrogâncias foram perdoadas
Com um grande alívio para mim
Já só restam as mágoas
De te ter feito ficar assim.


Vou partir e regressar
Isso posso prometer
Mas quero avisar
Que nunca te irei esquecer




Para todos aqueles que merecem realmente serem chamados de Amigos.

06/06/10

SIC: - O que é que fazias pela Selecção?


DH: - Nada. Ela nunca fez nada por mim

04/06/10

Os Bibelots

Os bibelots são fundamentais porque sem eles as tias não sobreviveriam.
Ah e tal, tu casas e os parentes antiquíssimos estampam-te com colecções inteiras de porcelana dos chineses.
Possuem vários nomes fofinhos: as mini coisinhas de porcelana que os putos adoram partir; a quinquilharia; as peças foleiras que as tias têm em todo o lado e \ ou as coisas que atafulham os armários e deixam tudo cheio de pó.
E depois os seres alérgicos que se lixem, ainda há aqueles banhados a dourado, fantásticos, quando oferecemos às tias elas choram e apertam-nos as bochechas até inchar.
Quando se parte um bibelot, as tias choram e esperneiam até que alguma alma caridosa lhes dar outro.
São peças modernas de colecção, encontram-se facilmente e vendem-se por menos de 0,50€. Os meus favoritos são os Bibelots do palhaço Pierrot. São tão bonitos!
Os meus favoritos são aquelas réplicas de casinhas onde quando se parte um bocado, nós fazemos a festa.
Eu acho que os bibelots são fixes e foleiros.
Eu acho que os bibelots são das coisas mais foleiras que existem á face da terra, mas são fixes para oferecer quando não temos ideias melhores.
Pois… É capaz, se calhar vou-me especializar em arte bibelótica.




Autoria: Diana Hilário & Rafaela Ferreira (Anjie & Mozie)


Porque as nossas aulas de Geografia são feitas de teorias, desenhos e muita escrita :D

30/05/10

A diferença
Era algo que eu queria
Mas com a semelhança
Existe mais alegria


Tenho a esperança
De vir a crescer
Porque tenho a lembrança
De muito sofrer


Infelizmente não sou dada á paixão
Sou um ser frio
Devido á traição
Que me deixou um enorme vazio


A minha vida é marcada pela revolta
E eu preciso de a mudar
Quero dar a reviravolta
Que me irá ajudar


Porque não tenho qualquer talento
Não passa de um devaneio
Estou inundada num sentimento
Que me causa este anseio.
Viver,
essencial para não morrer.
Crescer,
porque assim não aprenderia a sofrer.


Amar,
é um sentimento que em mim não irás procurar.
Lutar,
só assim conseguirei mudar.


Sofrer,
é a algo que nos faz aprender.
Morrer,
a todos vai acontecer.


Aprender,
sem isso não conseguiria crescer.
Compreender
só assim conseguirás viver.


Viver, crescer, amar, lutar, sofrer, morrer, aprender e compreender
Porque não aprendi a vencer?


Porque tomei a decisão
De viver a minha vida em vão

21/05/10

O tempo voa…

Parece que tudo começou ontem. Estes 8 meses passaram a correr. Parece que foi ontem que tudo começou. Que a minha aventura no mundo das Humanidades se iniciou. Por vezes tive vontade de desistir de tudo, de fugir e desaparecer. Mas acho que fiz bem em ficar e penso que a mudança foi resultado de uma das decisões mais adultas desta minha curta vida. Corrigi o erro, mudei de área. A paixão da minha vida ficou para trás, o sonho agora é outro e neste sei que posso acreditar que sou capaz de o concretizar (ou talvez não). Sei que nestes meses cresci muito, cresci em muitos aspectos: aprendi a pedir desculpa, tornei-me mais doce, tornei-me menos arrogante, cresci uns centímetros… E esse crescimento fez-me alterar em muito aquele ser que era. Não podia ter ido parar a uma turma melhor em que apesar de alguns acontecimentos menos agradáveis, somos bastante unidos. São todos excelentes pessoas, sem excepção. Tenho de agradecer a muita gente, que com as suas pequenas ou grandes acções, fizeram com que este coração petrificado começasse gradualmente a amolecer. Quero que saibam todos que foram uma das melhores turmas que já tive na minha vida. Peço desculpa pelas minhas arrogâncias e pelos meus ataques de mau-feitio. Mas quero que saibam que significam muito para mim. Obrigado por tudo meu 10ºD

18/05/10

Saudade

De verdade

Aquela criança

Traz-me saudade

Dos meus tempos de infância.


Para quê crescer?

Se mais cedo ou mais tarde

Acabamos por morrer

Cobertos de maldade!


Gostava de parar,

Parar por um segundo

Para voltar a pensar

Em como mudar o mundo.


Pensamentos de criança

Na sua pura inocência

Terão sempre a confiança

Antes de chegar á adolescência.

17/05/10

Tudo foi diferente

Foi um dia diferente vi coisas que quis, senti e ouvi o que não quis. Nada disso foi planeado e uma variedade enorme de sentimentos surgiram dentro da minha pessoa. Já estava mais do que na hora de o fazer, alias nem sei porque não o fiz mais cedo, talvez por medo, visto que os segredos exigem uma certa coragem para serem revelados independentemente da sua grandeza ou falta dela. Fez-me bem contar a verdade, libertar os maus sentimentos e sentir o peso dos meus ombros a desaparecer totalmente. Sabe bem sentir-me livre de todos estes fantasmas que me atormentam, nem que sejam por umas minúsculas horas, mas mesmo assim soube incrivelmente bem. Aquela sensação de que está tudo bem invadiu-me como em tempos que já passaram. Será que vou sentir-te outra vez?

02/05/10

Mãe

Foste tu que me carregaste

10 Meses na barriga

Muitos pontapés levaste

Mas sempre com alegria


Desde que nasci

Tu de mim cuidaste

Agora que cresci

É que vi o que aturaste


Não te comprei nenhuma prenda

Acho que é uma futilidade

Mas escrevo este poema

Tem muito mais validade


Gosto muito de ti

Digo isto com verdade

Viver sem ti

Seria uma dura realidade!




Feliz dia da Mãe! Para ti e para todas as outras mães.

Meu Anjo

Conheci-te virtualmente

Num jogo de tribos

Mas adoro-te igualmente

Somos seres unidos


Irradias alegria

Nesse teu belo sorriso

Que anima o meu dia

Sinto-me muito bem contigo


Essa tua animação

Por vezes mal interpretada

Que nunca é deixada em vão

Tornam-te numa pessoa endiabrada


Por muito já passaste

Nesta vida

Mas sei se lutaste

Para não saíres vencida


Não gostas de sofrer

És uma grande guerreira

Tens alegria de viver

Tem de ser tudo á tua maneira



Adoro-te muito maninha :D

06/04/10

Um descrisão verdadeira de alguém tão falso

Tens muita mania

Mania de que és amada

Quem te manda armares-te em tia?

Às vezes só mereces uma chapada


Pensava que eras uma pessoa decente

Daquelas que não criticam pelas costas

Mas afinal és demente

Apetece-me cortar-te às postas


Quanto mais te conhecia

Um grande erro meu

Mais me apetecia

Espancar o meu próprio Eu


Disse algo que não gostaste

Grande acto de bravura

Porque a verdade dói

E a tua alma não é pura


Cada vez que para ti olhava

Uma revolta nascia

Só me apetecia bater-te

E era uma coça merecida



Feito a falsear um pensamento falso sobre ti, sua falsa criatura!

(Autoria: Diana Hilário e Ana Raquel Frade :D)

01/04/10

Sem luta, nada se consegue

Habituei-me a lutar, não pelo que queria nem pelo que gostava. Lutei para ser de ferro, porque assim nada me atingia, não sofria, nem me magoava. Lutei, luto e lutarei mesmo que no final toda essa luta não valha a pena, mas tenho de o fazer, para o meu bem (e para o bem dos que me rodeiam claro). Claro que gostava de ter uma armadura onde não era atingida por nada nem por ninguém. Mas mesmo assim tornava-me fria. E eu não quero ser fria, já o tentei ser, mas foi demasiado penoso para mim. Jurei para nunca mais ou como disse o Dr. Mário Lino “jamais”. Agora luto para ser invisível, para que ninguém me note a minha existência. Não é uma luta fácil. Mas até está a ser bem conseguida. Continuarei a lutar, enquanto conseguir, pelas coisas que valem realmente a pena. Não sou revolucionária, nem o pretendo ser, mas gosto de lutar pelas causas que apoio, sejam elas validas ou não.

26/03/10

Tinha de o fazer...

Tinha de brincar com isto. Se não o fizesse não era eu. Chamaram me á dias de refilona. Confesso que não achei lá muita piada. Mas tinha de gozar com isso. Eu gozo com tudo, logo tinha de gozar com isto também :D. Quem foi a pessoa que me chamou refilona? (a pessoa em questão que se acuse :D) Alguém que apesar de me conhecer á pouco tempo mas tem uma grande noção da pessoa que sou, o que por vezes não é assim muito bom (És tão querida Diana Alexandra!). Implicância? Não sei, se calhar até implica comigo. Mas isso até tem a sua piada. Eu admito que até gosto dessa pessoa, picardias á parte. Essa pessoa (que não vou dizer o nome, por motivos óbvios) disse que eu era refilona por causa dos meus Genes. Tive de responder, não respondi na altura porque o ambiente não era propício, mas respondi. Disse isto: "Conhece os meus Genes de onde para falar deles?". Tinha de o fazer, tinha de ser. Tinha de ser uma mistura de ironia com arrogância. Saiu esta frase. Arrependimento? Se me dão a fama eu aproveito :D Pedido de desculpas? Inútil neste caso. A implicância é das duas partes. O que fazer? Rir-me da situação. Tristeza? Nenhuma. Eu quero rir com isto. Alegria? Imensa.

25/03/10

Vivo de contradições

Passo a vida a contradizer-me. É algo que me incomoda bastante, porque não sou muito amiga das contradições. Mudo de opinião frequentemente. Decido uma determinada coisa mas meia hora depois já desisti dessa determinada coisa. Enervo-me comigo mesma por causa disto! (em mim tudo me enerva) Mudar? Para quê? Já sei que em seguida vai tudo por água abaixo (atitude típica da Diana). Já não peço mudança, porque sinceramente até me dá jeito ser assim, por vezes não me dá muito jeito ser assim mas… eu até gosto de ser assim (apesar de me irritar). Dá-me jeito contradizer-me porque assim reflicto antes de antes de me contradizer e isso mantém o meu pequeno cérebro activo, sem ter que recorrer aqueles jogos de concentração do género do Sudoku e afins.

Isto vai acabar!

Tudo vai acabar

Estou prestes a rebentar


Faço para resistir

Mas tudo me faz desistir


Quero chorar

Mas não sinto as lágrimas a rolar


Quanto melhor me quero sentir

Mais me fazem cair


Não consigo aguentar

E começo a disparar


Já não me consigo abstrair

Do ódio que estou a sentir


Em vez de me ajudar

Só me sabem magoar


Ninguém tem uma palavra para me dizer

Só me sabem fazer sofrer


Estou farta desta intolerância

Vou virar-me para arrogância


Estou cansada de agir

Vou começar a reagir


Porque estou farta de ser pisada!

E não quero ser mais magoada!




A descrição da Melhor Amiga é a melhor: Sentido, Lindo ADORO! (Imperceptível para vós, importantíssimo para mim)


Escrito em plena explosão. Motivo? Isso é comigo :D

Esta realidade mata-nos por dentro

Vivemos numa sociedade altamente competitiva. Onde somos regidos pela supremacia americana que se alimenta de sentimentos de ódio, injustiça e intolerância. Só os melhores saem vencedores. Os que não são tão bons criam sentimentos de derrotismo que podem originar os actos de loucura que castigamos severamente. Já pararam para pensar? Já pensaram no que estas pessoas sentem? No sentimento de repressão que os invade. Sou uma dessas pessoas, ou melhor considero-me, como uma dessas pessoas que num futuro próximo não sairei vencedora nesta sociedade de competição. Não fui feita para a competição. Sou perdedora por natureza, já ganhei algumas coisas mas as derrotas foram mais poderosas que as vitorias. Gosto de ganhar e detesto perder, mas este derrotismo é algo que me ultrapassa, não o domino, não o controlo mas também não faço para o mudar. Gostaria de mudar, mas este derrotismo é algo que não me afecta propriamente, há coisas que me afectam muito mais que isso.

04/03/10

Cresci com um nome que não era o meu!

Desde tenra idade que sou tratada por um nome que não é meu. Chamam-me Raquel, mas de Raquel não tenho nada! Podemos até ser fisicamente parecidas, apesar dos 15 anos de diferença que nos separam, mas somos seres totalmente diferentes.

Nascemos no mesmo local, a dias diferentes e a horas completamente distintas. Eu sou de Dezembro, tu és de Novembro, nasci a 12, tu nasceste a 9... Somos perfeitos exemplares da raça Hilário, uma das raças mais defeituosas que existe (Como és má Diana!). Uma coisa temos de ver, somos parecidas, já disseram que somos mãe e filha, mas não estimadas pessoas, somos irmãs, parecidas fisicamente mas com gostos totalmente opostos. Ela é do Benfica, eu nasci com melhor gosto e sou do Sporting, ela gosta de música Romântica, eu gosto de Rock, ela gosta de peixe, eu gosto de carne. Resumindo e concluindo, apesar da suposta semelhança física, somos completamente diferentes (e ainda bem).

Irrita-me de uma maneira inexplicável quando estou muito bem no meu canto e oiço “Raquel, chega aqui á mãe por favor”, normalmente levo isso na desportiva, apesar de me irritar profundamente. Respondo com um simples “Diana”. A minha mãe e as outras pessoas que insistem em chamar-me Raquel riem-se de eu as corrigir, mas a mim dá-me vontade de as mandar para um certo sítio, mas como pessoa educada que sou, não o faço. Depois dizem que é do hábito. Está bem até pode ser do hábito, mas enerva e muito. O nome nem é meu, é dela, eu até nem gosto muito do nome, também não gosto do meu, mas isso é porque sou demasiado esquisita.

Por isso digo que cresci com um nome que não era meu, não foi por minha culpa, foi-me impingido. Mesmo depois de tantas correcções, continuam a chamar-me de Raquel. Pode ser que num futuro próximo deixem de me chamar assim.


Segunda parte do trabalho de Português :D

Carta para alguém que está longe

Olá. Como me tinhas pedido, resolvi escrever-te. Sei que tenho estado muito ausente, não tenho ido á Net, não te tenho mandado SMS. Embora não parecendo encontro-me bem, estou bem de saúde, tenho ido á escola. Por falar em escola, sei que foste um pouco contra a minha mudança de área, mas confesso que sinto-me muitíssimo bem lá. Adaptei-me bem às disciplinas, aos professores, às rotinas a tudo. Tive alguns ataques de arrogância, típicos da Diana, contra a DT. Mas sabes bem como sou com as DT's nunca nos damos bem, mas depois isso muda. Acho que já mudou, mas isso terás de perguntar a professora. Então e novidades por ai? Como anda o trabalho na loja? Está frio? Chove? Tenho saudades do Natal e dos dias que ai passei, trazem-me muito boas recordações. O que não me recordo assim com tanto agrado é do frio que senti no Parque Asterix. Acho que nunca tinha sentido tanto frio na minha curta vida. Mas foi um dia em grande, apesar de eu sair das diversões mais aéreas a tremer, e o susto do metro. Quero voltar ai em breve. Pode ser no verão se ai fizer calor. Depois em Agosto vimos de carro para cá. É uma ideia a ser estudada. Tens falado com os meninos? Eu vejo o Kiko quase todos os dias, as meninas já não as vejo á muito. Mudando de assunto, tenho escrito alguns textos, mas não os tenho publicado no blogue, sim eu já sei que me vais começar a chamar preguiçosa e as outras coisas do costume, mas não tenho andado com cabeça para isso, a escola ocupa-me o pouco tempo livre que tenho. Ando cheia de trabalhos, acho que o meu cérebro vai ter um crash. Ainda dizem que os alunos de Humanidades não trabalham… Bem tenho de me ir, a mãe está a chamar-me para jantar. E hoje o jantar é daqueles que eu gosto. Vou acabar a minha espécie de carta com os típicos pedidos de final de carta. Cuida-te. Manda um beijo para as meninas do magasin (as que eu conheci), não me esqueci delas.




Com toneladas de carinho, da tua espécie de irmã




~ DH



P.S – Faça favor de ir á Net mais vezes, para não dizeres que a culpa da ausência é totalmente minha.




Trabalho realizado no âmbito da disciplina de Português. Esta é a primeira parte.

01/03/10

Melancolia

A melancolia

Era algo de que eu fugia


Sentia-me amada

E não queria mais nada


Com muita subtileza

Fui invadida pela tristeza


E o sentimento que eu não queria

Chamava-se melancolia


Quanto mais a negava

Mais ela se aproximava


Fui-me tornando fria

Para reprimir o que sentia


Quando ela me atingui

O meu mundo ruiu


Porque já não tinha nada

Já ninguém lá estava


Quase ninguém conhece a sensação

De entrar numa depressão


Mas eu já a senti

Por um erro que cometi


Não me arrependo de nada

Só me culpo de ter sido precipitada


Ela pregou-me uma rasteira­

Mas não terá sido a primeira


Fugi dela como pude

Agora já não me ilude


Consegui o que queria

Expulsei a melancolia


Posso não ter nada

Posso até ter feito a escolha errada


Mas por aquilo que lutei

No fim sei que ganhei!

Vou fazer uma experiencia

Tomei uma decisão, vou abolir a arrogância da minha pessoa. Já concretizei o primeiro passo, reconheci o problema. Procurei maneiras de resolver o problema, concebi teorias, algumas bastante idiotas, mas não passam disso mesmo, de simples teorias. Até que numa certa altura, fez-se luz na minha cabeça, tive a ideia brilhante, a solução que eu pretendia. Cansei-me de me culpar, de chorar e de sofrer por causa daquela arrogância que me tira a réstia de alegria que ainda possuo. Uma semana sem arrogância. Uma semana em que deixo a minha “armadura” guardada dentro do meu mundo, onde a solidão é rainha. Mesmo que me provoquem usando as mais baixas maneira para o fazer, vou fazer um esforço para ignorar. Sei que assim serei por uma semana o brinquedo de alguns e por outro lado o motivo de alegria de outros. Mas vou focar-me em mim, em abstrair-me dos outros que me magoaram, sem recorrer como em tempos que já lá vão a rituais de auto-destruição. Tudo o que me disserem, apesar de eu ignorar no momento, vai ficar guardado cá dentro. Acredito que depois dessa semana muita coisa se vai modificar. Estou a aguardar pelo momento certo para a começar. Vou calar-me, guardar tudo para mim e despejar da maneira que melhor o conseguir fazer. Quem não gostar do meu silêncio temos pena, não nasci para vos agradar nem vou mudar por vossa causa.

12/02/10

O silêncio será a minha melhor arma!

Em vez de atacar
Vou-me começar a calar


Deixo a arrogância de lado
Isso não tem nada de errado


Sempre que ela quiser surgir
Fecho os olhos e tento-a impedir


Quem me quiser ajudar
Pode voltar para o seu lugar


Porque quando precisei de ajuda
Todos iniciaram a sua fuga


Não vou dizer nada a ninguém
Só aquilo que achar bem


Assim se quiser desistir
Não há nada para me impedir.

10/02/10

Sentimento estranho

Não sei o que estou a sentir
Simplesmente não consigo sorrir


Sinto-me enganada
Porque já fui muito magoada


Não consigo desistir
Porque algo me faz resistir


Não quero chorar
Para não sentir as lágrimas a rolar.


Sinto-me a cair
Mas o pior ainda está para vir


Não me consigo conter
E deixo todos a sofrer


Tento-me controlar
Mas quando dou por mim já estou a disparar


Magoo sem querer
Mas acabo sempre por sofrer


E mesmo não querendo chorar
Sinto as lágrimas a deslizar


Estou cansada de mim mesma
Sou pior que uma lesma


Apetece-me desaparecer
Mas não quero fazer ninguém sofrer


Mas se isto continuar
Não sei como vai acabar


Estou a tentar mudar
Mas preciso de algo para me ajudar


Porque quero sentir alegria
Para acabar com esta agonia!

Eu agora sou um nada

Sinto-me um nada, que procura por tudo mas que só encontra o nada. Sinto-me oca por dentro, com um vazio do tamanho do universo. O que eu via como tudo agora está transformado num gigantesco nada. Vejo-me neste estado e sinto-me impotente, não consigo agir porque tenho de parar para reflectir. Á minha volta vejo ódio, revolta, tristeza e solidão. Só me consigo ver a mim e ao meu vazio. Estarei a tornar-me egocêntrica? Não, isto é simplesmente a minha racionalidade a desaparecer. Quero, preciso e tenho de mudar. Não tenho nem quero ter nenhum problema serio. O único problema aqui sou eu! Eu é que tenho de mudar, eu é que preciso de mudar. Tenho-me esforçado para tal, mas não tenho força suficiente para isso.

Como tudo seria...

Como tudo seria
Se eu num belo dia

Me estivesse a distrair
E desata-se a fugir?

Seria uma grande alegria
Porque ninguém ouvia a minha ironia

Ninguém sofria
Com a minha agonia

Ninguém chorava
Porque eu já não lá estava

Já ninguém estava em ânsia
Porque já não havia arrogância

Mas se esse dia chegar
Eu lá estarei para o enfrentar

Estou pronta para fugir
Porque quase nada me conseguirá impedir

Porque quando esse dia chegar
Já nada vai restar!

A revolta possuiu-me de novo!

Voltei a ser possuída pela revolta. O que me revolta? Estou revoltada com a arrogância que me está a invadir e que me provoca impulsos incontroláveis. Quem me revolta? Pergunta fácil, é uma miúda a quem resolveram chamar de Diana (Alexandra Vieira) Hilário, o que é um quanto irónico porque essa miúda sou eu. Mas porque que estou revoltada comigo mesma? Por um motivo simples odeio estes ataques de arrogância que me dão de vez em quando. Simplesmente não os consigo controlar e quando dou por mim já magoei meia dúzia de pessoas. Depois vêm os remorsos, os arrependimentos, os pedidos de desculpa entre outros. A minha arrogância não escolhe vítimas, tal como um assassino sem piedade e faz com que eu ataque qualquer pessoa, seja ela quem seja. Se eu pudesse arrancava esta arrogância de dentro de mim, mas ela é forte e não sai assim do dia para a noite. Mas estou diferente, em tempos que já lá vão, era puramente arrogante, sem ter pena de ninguém, sem sentir culpa ou arrependimento. Já não sou assim, já sinto culpa, já me arrependo, já choro, já grito. Estou a esforçar-me para controlar esta arrogância, juro que o estou. Eu sei que é difícil de acreditar mas tenho dentro de mim uns mini operários no meu cérebro a tentar arranjar isto, mas de vez em quando acontece uma explosão que destrói tudo e eles têm de fazer tudo de novo. Quero um dia chegar e dizer: “finalmente desapareceste da minha vida, maldita arrogância”. Nesse dia vou ser a pessoa mais feliz do mundo!

09/02/10

Para a melhor amiga que alguém pode ter!

Sempre fomos da mesma turma. Este ano não éramos para ser, mas por ironia do destino voltamos a ser colegas! Mas só nos tornamos amigas há 3 anos, parece pouco mas para nós é uma vida! Começamos a falar por acaso, nunca percebi quando nem o porquê. Mas não me arrependo e tu arrependes-te? Já me disseste que não, mas fico sempre na dúvida. Para além de laços de amizade, somos familiares, mais especificamente primas (muitas afastadas, mas primas). Ficaste comigo quando todos me viraram as costas, estavas comigo (e também te calhou) naquele dia que nos marcou a vida. Ajudaste-me quando me abandonaram. Basicamente salvaste-me a vida. Como o meu pai diz "Nem duas irmãs se dão tão bem". Adiante somos ambas fãs dos Linkin Park, temos o nosso vocabulário especial (que praticamente ninguém compreende e nem é para perceber), somos grandes apreciadoras de preto e de pulseiras com picos (no teu caso aprecias fundamentalmente as minhas) etc. Resumindo e concluindo és aquela amiga que muitos queriam ter e que muitos têm inveja de não ter. Só contigo é que faço figuras de ganzada por andar a rir feita parva no meio da rua. É só contigo que gravo os vídeos mais cómicos deste mundo. Sabes que eu te adoro e que sem ti a minha vida não tinha graça nenhuma. Se eu podia viver sem ser tua amiga? Podia mas não era a mesma coisa. Adoro-te melhor amiga! Que para quem ainda tiver dúvidas ela chama-se Catarina Lopes.

08/02/10

Para ela...

Conheço-te á muito tempo, mas nunca tive uma grande ligação contigo. Tinha algo que me fazia gostar de ti. Mas nunca soube muito bem o que era! Mas descobri, somos bastante parecidas. Temos várias coisas em comum, já sofremos bastante, somos (ligeiramente) arrogantes, gostamos de boa música, apesar de seres mais virada para a Música Clássica (embora eu também aprecie música clássica) e eu ser mais virada para o Metal. Comecei a falar contigo devido ao simples facto de sermos colegas de turma, e sinceramente não me arrependo de nada, visto que eu é que fui a invasora da turma. Temos feitios parecidos, somos arrogantes, irónicas e tristes por natureza. Já fomos magoadas por quem gostávamos, já fizemos muitas coisas que nos arrependemos. Temos o vício incontrolável das pipocas. Mostras-te me os Oomph!, que até é uma bela banda, tem sons potentes. Resumindo e concluindo, estou a gostar de te conhecer porque como é óbvio não se conhece uma pessoa assim do dia para o outro. Quero que saibas que gosto muito de ti, e que és uma pessoa muito especial.
(Quem é ela? Não interessa, ela sabe quem é)
Adoro-te minha Mozie :P

02/02/10

Quem sou eu?

Definem-me como arrogante. Mas sou muito mais que isso. Sou revoltada com a vida, sou arrogante, infantil, exagerada, individualista, desconfiada entre outros. Para muitos sou uma arrogantezinha de meia tigela que por vezes só merece um belo par de estalos. Sou mais que isso absolutamente. Mas mostro o meu lado defensivo. Lanço este desafio, quem não me conhece e gostava de o fazer, sente-se comigo um dia e fale comigo. Tente perceber o porque de tanta arrogância e agressividade. Pode não gostar de muitas coisas, mas que me ficará a conhecer muito melhor. Algumas pessoas já tiveram a coragem de o fazer, e até agora dou-me bem com a maior parte delas. Não sou nenhum ser estranho, apesar de viver no meu mundo, de não ligar a expressões de afecto, sou de carne, osso, músculo etc. Sou um ser normal, apesar de todos os meus defeitos, que são muitos, e das minhas poucas virtudes. Quem me conhece não me define simplesmente como arrogante, mas sim a arrogância é o meu defeito mais evidente, o que não me incomoda minimamente. Não sei como me definem, têm de lhes perguntar. Não vou aqui citar nomes, primeiro porque não tenho autorização dos mesmos e segundo porque não me apetece enumera-los. Para finalizar digo isto. Pessoa normal ou não, tenho quem goste de mim, que não gosta, lamentamos, não tenho de agradar a todos.

29/01/10

Ódio, o sentimento que melhor conheço

Desde pequena que conheço este sentimento dentro do meu ser. Inicialmente era a coisas que considero fúteis, que deixei de lhes dar importância, eram demasiado banais. Quando cresci comecei a odiar no verdadeiro sentido da palavra. Odiei, e continuo a odiar. Odeio pessoas, palavras, pensamentos e acções. Algo que dantes não me acontecia porque não pensava nisso. O ódio entrou verdadeiramente dentro de mim quando se fez acompanhar pela revolta. Comecei a odiar as pessoas e as coisas que hoje em dia, por mais que tente, não deixo de odiar. Porque a ferida que deixaram é maior que a minha vontade de a sarar. Para mim o ódio não se define, simplesmente sente-se. Mas o sentir tem de ser verdadeiro, não dizer que se odeia sem saber o porque, há que o saber. Gostava de conseguir sarar estas feridas dentro de mim, gostava de parar de odiar, gostava de deixar de sentir revolta. Gostava de mudar, mas não consigo. Seria sem dúvida mais feliz.

25/01/10

A amizade o mais saudável (ou não) dos sentimentos

Descobri a amizade na infância, com aquelas amiguinhas da escola que no intervalo brincavam à apanhada e que jogavam à bola comigo. Num belo dia pus-me a pensar, porque já penso desde uma idade precoce (cerca dos 4 anos), e cheguei a conclusão que um sentimento estranho invadia o meu pequeno coração mas que eu não sabia o que era. Anos mais tarde conclui que esse sentimento que me estava a invadir se chamava amizade, mas a amizade vista pelos olhos de uma criança não é a mesma que a vista pelos olhos de um adolescente. Para uma criança é o ter amigos que brinquem com ela, que falem com ela sobre as coisas. Para um adolescente podem ser muitas coisas, pode ser aquele jogo de sentimentos típicos da amizade: a compaixão, o carinho, a confiança etc. Ou pode ser um sentimento que não se consegue definir. A amizade tem duas faces, como tudo nesta vida, pode ser construtiva e destrutiva, boa e má. Da parte construtiva\boa salienta-se a pluralidade de sentimentos, alguns enumerados anteriormente, entre outros que devido à seu grande numero não irei enumerar. Na parte destrutiva\má a amizade pode levar a actos completamente inexplicáveis para uma qualquer pessoa. Na minha opinião a amizade tem os seus dois lados mas o que importa é que saibamos aproveitar este sentimento que nos invade e que nos deixa tão felizes.

A minha família virtual

Tenho uma família virtual
Mais divertida que a real

Não existe pai nem mãe
Mas não lhe falta ninguém

Todos prontos a ajudar
Para não verem ninguém chorar

De dia temos de resistir
Para todas a noites nos podermos rir

Dá alegria chegar
E todos terem um sorriso para nos dar

E quando a lágrima quiser cair
Existe sempre alguém para nos fazer sorrir


Obrigado 7 magníficos por tudo o que têm feito
Sem vocês a minha vida não teria qualquer jeito!


(Afinal até me safo bem nisto! Até nem é tão difícil como pensava. Mas continuo a preferir a prosa!)

A amizade

A amizade é algo que não sabemos definir
Mas sabemos que sem ela não podemos existir

Ela pode-nos magoar
Mas maior parte das vezes só nos sabe ajudar

Ter um amigo todos o podem ter
Mas ser um amigo nem todos o sabem ser.




A amizade tem os seus dois lados mas o que importa é que saibamos aproveitar este sentimento que nos invade e que nos deixa tão felizes. :D

Serei especial?

Sinto-me uma pessoa normal, mas no meu interior acho-me especial. Especial porque me sinto ligeiramente mais sensível do que os que me rodeiam. Não sei explicar o porquê mas sei que com qualquer coisa por mais pequena que ela seja que me magoa bastante, não sei explicar as razoes mas um simples olhar, uma palavra dita num tom mais forte, me pode magoar-me imenso. Mas também sou o inverso, na minha opinião, acho que consigo encontrar sentimento nas palavras e nos actos das pessoas. Por vezes prefiro que uma pessoa me retribua sorrindo do que propriamente falando, porque para mim um sorriso vale por mil palavras ditas em vão. Consigo ainda achar um belo sentimento que não consigo definir quando oiço ou leio por mais pequena e simples que essa expressão ou palavra seja. Na verdade acho-me normal, mas ligeiramente diferente dos outros. Dizem-me alguns amigos que, sou especial dentro da minha normalidade. Normalmente não aprovo essas teorias, mas isso é culpa do baixo nível de auto-estima. Quero agradecer, ando numa de agradecimentos, a todas aquelas pessoas que no meu dia-a-dia me fazem sentir “especial” dentro da minha normalidade.